Notícia

09 de Janeiro, 2018

Vida dupla dos pastores é ferida na Igreja, diz Papa

A proximidade e a autoridade de um pastor estiveram no centro da homilia de hoje

A proximidade e a autoridade de um pastor estiveram no centro da homilia do Papa Francisco nesta terça-feira, 9, na Capela da Casa Santa Marta, no Vaticano. A reflexão foi apontada pelo Evangelho do dia, que destaca a autoridade de Jesus.

O Santo Padre observou que diante dos ensinamentos dos doutores da Lei, as pessoas diziam que ensinavam da cátedra, “mas não se importavam, não chegavam ao coração”. Ao invés, o ensinamento de Jesus provocava admiração, movimento no coração, porque o que desperta autoridade é a proximidade. “Jesus se aproximava das pessoas, entendia seus problemas, dores e pecados. Porque estava próximo: entendia, acolhia, curava e ensinava com proximidade”.

Segundo Francisco, também a autoridade de um pastor, concedida por Deus, provém dessa proximidade. “Um pastor que não reza, um pastor que não busca Deus, perdeu a proximidade das pessoas. O pastor separado das pessoas não chega a elas com a mensagem (...) Quando se perde esta proximidade, o pastor acaba na incoerência de vida”.

Nesse sentido, ele comentou sobre os pastores que têm uma vida dupla. “É duro ver pastores com vida dupla. É uma ferida na Igreja. Os pastores doentes, que perderam a autoridade e seguem em frente com esta vida dupla. Jesus é muito forte com eles (...) ‘Vocês são sepulcros caiados: belíssimos na doutrina, por fora; mas por dentro, podridão’. Este é o fim do pastor que não tem proximidade com Deus na oração e com as pessoas na compaixão”, disse.

O Papa também se deteve da Primeira Leitura do dia, que narra o episódio em que Ana, com o coração cheio de amargura, orou ao Senhor pedindo por um filho homem e o sacerdote Eli, que havia perdido a proximidade com Deus e as pessoas, julgou que Ana estava embriagada. O Papa observou que quando Ana explicou a Eli o excesso de sua dor e angústia, ele foi “capaz de aproximar-se daquele coração, até dizer para ir em paz: ‘Vai em paz, e que o Deus de Israel te conceda o que lhe pediste’. Deu-se conta de ter errado e brotou de seu coração a bênção e a profecia”.

Por fim, aos pastores que viveram a vida separados de Deus e do povo e perderam a autoridade, o Papa deixou uma mensagem: “Mas não percam a esperança (...) A autoridade, dom de Deus, somente vem dele. Sempre há tempo para aproximar-se e despertar a autoridade e a profecia”.


Fonte: Amex, com Rádio Vaticano