Notícia

16 de Janeiro, 2018

Papa: somos chamados e desafiados a caminhar nas bem-aventuranças

Em sua primeira Missa no Chile, Francisco falou sobre as bem-aventuranças e destacou a paz

O Papa Francisco presidiu sua primeira Missa no Chile, na capital Santiago, nesta terça-feira, 16. As Bem-aventuranças foram tema da homilia de Francisco, que destacou atitudes que ajudam a construir a paz.

O Santo Padre apontou que as Bem-aventuranças, “horizonte para o qual todos são convidados e desafiados a caminhar”, nascem do coração compassivo de Jesus que se encontra com o coração de pessoas que anseiam por uma vida feliz, conhecem o sofrimento e a angústia, mas conhecem ainda mais a tenacidade para seguir adiante e recomeçar.

“E como é perito o coração chileno em reconstruções e novos inícios” – exclamou o Papa. “Vocês são peritos em se levantar depois de tantas derrocadas. A este coração, faz apelo Jesus. Para este coração são as Bem-aventuranças”.

Francisco reiterou que as Bem-aventuranças não nascem de críticas ou de pessoas que semeiam desgraças e decepções. “Jesus, quando proclama as Bem-aventuranças, vem sacudir aquela prostração negativa chamada resignação que nos faz crer que se pode viver melhor se evitarmos os problemas, se fugirmos dos outros, nos escondermos ou fecharmos nas nossas comodidades (...) Aquela resignação que nos leva a dividir-nos, a fazer-nos cegos perante a vida e o sofrimento dos outros”.

“Bem-aventurados vocês que se deixam contagiar pelo Espírito de Deus, lutando e trabalhando por este novo dia, por este novo Chile, porque vosso será o reino do Céu”, disse o Papa dirigindo-se aos fiéis chilenos.

Ele ressaltou que, perante a resignação, Jesus nos diz que bem-aventurados são aqueles que se comprometem em prol da reconciliação. “Felizes aqueles que são capazes de sujar as mãos e trabalhar para que outros vivam em paz. Felizes aqueles que se esforçam por não semear divisão. Desta forma, a Bem-aventurança faz-nos artífices de paz. Convida a empenhar-nos para que o espírito da reconciliação ganhe espaço entre nós”.

Para semear a paz, o Santo Padre indicou a proximidade e ir ao encontro de quem enfrenta dificuldades. Segundo ele, esta é a única maneira para tecer um futuro de paz. “O obreiro de paz sabe que não basta dizer ‘não faço mal a ninguém’, pois, como dizia Santo Alberto Hurtado, está muito bem não fazer o mal, mas está muito mal não fazer o bem. Construir a paz é um processo que nos congrega, estimulando a nossa criatividade para criar relações capazes de ver no meu vizinho não um estranho ou um desconhecido, mas um filho desta terra”.

Após a homilia, o Papa coroou a Imagem da Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo. “Que Ela nos ajude a viver e a desejar o espírito das Bem-aventuranças, para que, em todos os cantos desta cidade, se ouça como um sussurro: Bem-aventurados os obreiros de paz, porque serão chamados filhos de Deus”, concluiu.


Fonte: Amex, com Rádio Vaticano