Notícia

02 de Janeiro, 2018

Papa inicia 2018 com Missa da Solenidade da Mãe de Deus e Angelus

Nas ocasiões, Francisco fez apelo à defesa da vida e à solidariedade para com migrantes e refugiados

Nesta segunda-feira, 1º de janeiro de 2018, o Papa Francisco presidiu a Missa da Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus na Basílica de São Pedro e, em seguida, rezou o Angelus com milhares de peregrinos reunidos na Praça de São Pedro.

Missa da Solenidade da Mãe de Deus

Na Missa da Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus, o Santo Padre fez um apelo à defesa da vida. “A humanidade é querida e sagrada para o Senhor. Por isso, servir a vida humana é servir a Deus. E toda vida, desde a vida no ventre da mãe até à vida envelhecida, atribulada e doente, à vida incômoda e até repugnante, deve ser acolhida, amada e ajudada”, disse.

Em seguida, Francisco refletiu sobre a figura da Mãe de Deus. “Maria é exatamente como Deus nos quer, como quer a sua Igreja: Mãe terna, humilde, pobre de coisas e rica de amor, livre do pecado, unida a Jesus, que guarda Deus no coração e o próximo na vida”.

Em uma alusão ao novo ano civil, convidou os católicos a imitar a Virgem Maria. “Para avançar, nos diz a festa de hoje, é preciso recuar: recomeçar do presépio, da Mãe que tem Deus nos braços”, explicou.

Ele destacou a necessidade do silêncio, onde Deus se revela a cada pessoa, convidando os fiéis a dedicar um momento à oração silenciosa no seu dia diante do presépio. “Reservar cada dia um tempo de silêncio com Deus é guardar a nossa alma; é guardar a nossa liberdade das banalidades corrosivas do consumo e dos aturdimentos da publicidade, da difusão de palavras vazias e das ondas avassaladoras das maledicências e da balbúrdia”.

A homilia chamou a atenção para a dimensão de maternidade. “Eis o milagre, a novidade: o homem já não está sozinho. Nunca mais será órfão, é para sempre filho. O ano tem início com esta novidade. E nós proclamamo-la dizendo assim: ‘Mãe de Deus!’. É a alegria de saber que a nossa solidão está vencida. Dizer ‘Mãe de Deus’ lembra-nos isto: Deus está perto da humanidade como uma criança da mãe que a traz no ventre”.

O Papa apresentou ainda os “segredos” da Virgem Maria como forma de viver melhor o novo ano: “Guardar no silêncio e levar a Deus”. “Também nós, cristãos em caminho, no começo do ano, sentimos a necessidade de recomeçar do centro, deixar para trás os pesos do passado e partir do que é importante. Temos hoje diante de nós o ponto de partida: a Mãe de Deus”, declarou.

“Para que a fé não se reduza apenas a ideia ou doutrina, precisamos, todos, de um coração de Mãe que saiba guardar a ternura de Deus e ouvir as palpitações do homem”, concluiu.

Angelus

Na alocução que precedeu a oração do Angelus, o Papa Francisco apelou à solidariedade para com os migrantes e refugiados, marcando o 51º Dia Mundial da Paz, com o tema “Migrantes e refugiados: homens e mulheres em busca de paz”.

“Que o Senhor nos permita trabalhar neste ano novo com generosidade, para realizar um mundo mais solidário e acolhedor. Convido-vos a rezar por esta intenção, enquanto, juntamente convosco, confio a Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe, o 2018 agora começado”, disse.

“Desejo, mais uma vez, fazer-me porta-voz destes nossos irmãos e irmãs que invocam para o seu futuro um horizonte de paz. Não apaguemos a esperança no seu coração, não sufoquemos as suas expectativas de paz! É importante que, da parte de todos, instituições civis, educativas, assistenciais e eclesiais, haja o empenho de assegurar aos refugiados, aos migrantes, a todos, um futuro de paz”, exortou.

Francisco destacou que, em busca da paz, “direito de todos”, muitos migrantes e refugiados se mostram “prontos a arriscar a vida numa viagem que se revela, em grande parte dos casos, longa e perigosa, a sujeitar-se a fadigas e sofrimentos”.

Ainda em referência à Solenidade da Mãe de Deus, o Papa disse que Maria desempenha uma função muito especial na vida dos cristãos. “Coloca-se entre o seu Filho Jesus e os homens na realidade das suas privações, indigências e sofrimento. Intercede, consciente de que, enquanto Mãe, deve apresentar ao Filho as necessidades dos homens, especialmente os mais fracos e desfavorecidos”.

Francisco deixou a todos votos de “todos os bens para o novo ano” e agradeceu as iniciativas promovidas em favor da paz e da convivência entre todos. “Renovo o desejo de um ano de paz na graça do Senhor e com a proteção materna de Maria, a Santa Mãe de Deus. Um bom ano, bom almoço e não se esqueçam de rezar por mim”, concluiu o Papa.


Fonte: Amex, com Rádio Vaticano