Notícia

04 de Outubro, 2017

O cristão é missionário de esperança, diz Papa

Reflexão de Francisco na catequese de hoje teve como contexto o mês das missões

O Papa Francisco dedicou sua catequese na Audiência Geral desta quarta-feira, 04, ao tema “missionários de esperança hoje”, por ocasião do mês dedicado às missões e o dia de São Francisco de Assis, “grande missionário de esperança”, como recordou.

Dirigindo-se aos mais de 15 mil fiéis e peregrinos presentes na Praça São Pedro, o Santo Padre observou que os discípulos estavam abatidos depois da crucifixão e sepultamento de Jesus. “Aquela pedra, rolada contra a entrada do sepulcro, pôs fim a três anos de vida esperançosa e entusiasmante na companhia do Mestre vindo de Nazaré. Parecia o fim de tudo, e alguns já começavam a deixar Jerusalém para regressar para suas casas”.

“Mas Jesus ressuscita”, lembrou Francisco. “Este fato inesperado transformou a mente e o coração dos discípulos, uma transformação que ficou completa quando receberam a força do Espírito Santo no dia de Pentecostes. Não terão somente uma bela notícia para levar a todos, mas estarão eles mesmos diferentes de antes, como renascidos para uma vida nova”.

“Como é bonito pensar que se é anunciadores da ressurreição de Jesus, não somente com palavras, mas com os fatos e com o testemunho de vida! Jesus não quer discípulos capazes somente de repetir fórmulas aprendidas de memória. Quer testemunhos: pessoas que propagam esperança com o seu modo de acolher, de sorrir, de amar. Sobretudo de amar: porque a força da ressurreição torna os cristãos capazes de amar mesmo quando o amor parece ter perdido as suas razões”, completou.

O Pontífice destacou ainda que a fé e a esperança cristãs não são somente um otimismo, mas algo a mais. “É como se os crentes fossem pessoas com um ‘pedaço de céu a mais’ sobre suas cabeças, acompanhados de uma esperança que o mundo sequer consegue intuir. Assim, a tarefa dos cristãos neste mundo é a de abrir espaços de salvação, como células de regeneração capazes de restituir a seiva vital àquilo que parecia perdido para sempre”, disse.

O Santo Padre não deixou de comentar o alto preço que os discípulos terão que pagar por esta esperança dada por Jesus. Ele citou como exemplo os cristãos perseguidos, pessoas que não abandonaram seu povo e continuaram esperando em Deus. “E pensemos em nossos irmãos, em nossas irmãs do Oriente Médio que dão testemunho de esperança e também oferecem a vida por este testemunho. Estes são verdadeiros cristãos! Eles trazem o céu no coração, olham além. Quem teve a graça de abraçar a ressurreição de Jesus, pode ainda esperar no inesperado”.

Concluindo a catequese, o Papa reforçou que aqueles que têm Cristo ao seu lado não temem nada e os verdadeiros cristãos nunca são acomodados, mas missionários de esperança. “Não por mérito seu, mas graças a Jesus, o grão de trigo que, caído em terra, morreu e deu muito fruto”.


Fonte: Amex, com Rádio Vaticano